Já conhece a nova unidade Asa Norte? Saiba mais. | WhatsApp (61) 9 8641-9201.
  • SEPN 513 Norte, Lt. 01, Bl. A, 3ºandar, Sl. 301 a 307, Edif. Bittar I, Brasília

Blog

Saúde

Lesão de Pele relacionada a dispositivo médico – EPI – COVID

Lesão de Pele relacionada a dispositivo médico – EPI – COVID

Conteúdo referência Blog Vitalaire.

Grande parte do material disponível em relação a prevenção de lesão de pele ocasionadas por dispositivos médicos são direcionadas aos pacientes, fornecendo diretrizes para que os profissionais de saúde possam preveni-las e assim evitar mais agravos que a própria doença.

Com a pandemia ocasionada pela COVID-19 houve a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) em longos períodos e sob condições extremas associadas à transpiração alta. Essa situação tem acarretado ao final de cada plantão, além da exaustão, marcas pelo uso das máscaras, óculos e outros dispositivos.

Todas essas condições propiciam a fricção do EPI com a pele, sob o risco da formação de lesões. Por isso, o assunto deve ser objeto de cuidado por todos aqueles que usam equipamentos de proteção individual, quem seja.

Na China em um dos hospitais de referência de tratamento a pacientes com COVID -19, 97% dos profissionais de saúde apresentaram alterações na pele em decorrência do uso dos EPIs. Os principais pontos que apresentaram lesões foram:

  • Osso nasal (83%) correlacionado ao uso dos óculos;
  • Bochechas (74.5%) devido ao uso da máscara N95;
  • Testa (57.2%) devido ao uso da “face shield”.

A fricção da pele é determinada por alguns fatores:

  • Condições da pele como hidratação e presença ou não de rugas;
  • Características dos materiais que entra em contato, se é macio ou rígido e a sua capacidade de adaptação ao contorno do corpo;
  • Maneira que a pele e o dispositivo interagem em relação a transpiração e oleosidade produzidas pela pele.

O uso prolongado destes EPI’s altera o microclima no sistema pele / dispositivo. As respostas da pele estão relacionadas à transferência de umidade e calor dentro deste sistema e desempenham um papel crítico  na irritação da pele. A pressão para fixação dos dispositivos, a impossibilidade em alternar o posicionamento e o atrito dele com a pele são fatores de risco para o desenvolvimento da lesão por pressão.

Quando o usuário adquire uma lesão associada ao uso do dispositivo, sua chance de contaminação aumenta, pois a lesão é mais uma porta de entrada para infecções.

 

Para evitar lesão associada ao uso das máscaras, alguns cuidados:

  • Fazer pausas do uso das máscaras.
  • Remover a máscara por 15 minutos a cada duas horas enquanto estiver longe dos pacientes. Levantar os lados da máscara por cinco minutos a cada duas horas é útil se o profissional de saúde não puder fazer uma pausa mais longa no uso da máscara. Mas lembre-se de lavar as mãos antes e depois de tocar nas máscaras.

Higiene e cuidados com a pele:  

  • Lavagem do rosto com sabonete apropriado de preferência com um pH mais ácido manter a barreira protetora da pele e remoção do excesso de oleosidade;
  • Não aplicar cremes oleosos ou produtos a base de petrolatum, pois podem ocasionar um maior atrito devido ao deslizamento da máscara.
  • As abrasões podem ser tratadas “com hidratantes tópicos ou creme barreira que minimiza a umidade, protetores / selantes líquidos da pele ou cianoacrilatos”,
  • Curativos oclusivos finos podem ser usados ​​para proteger feridas abertas se elas não interferirem no selo da máscara.

Cobertura de interface para prevenção de lesão (caso seja uma opção do profissional e orientação da instituição):

  • Lavagem do rosto para remoção da oleosidade para prover uma melhor adesividade da cobertura;
  • Aplicação de cobertura de interface nos pontos de maior contato que são testa, bochecha,  nariz, e parte posterior da orelha. A cobertura utilizada pode ser recortada a partir de moldes, as coberturas podem ser feitas a partir de hidrocolóides extra-finos nas regiões de apoio da máscara que se faz necessária a vedação, espumas de silicone suave no ponto de apoio da face shield.
  • Estes materiais devem ser recortados baseados nos modelos da figura 2, com tamanhos que melhor se adequem ao profissional.

Cuidados com a Hidratação:

  • Ao final do turno, respeitando as recomendações institucionais de segurança, realize a lavagem das mãos, face e pescoço com água e sabonete líquido, com particular atenção às áreas que estão sob pressão.
  • Secar bem a face. E hidratar o rosto no domicílio com um hidratante facial.
  • Manter-se adequadamente hidratado, ingerindo líquidos com regularidade, lembrando que a hidratação principal da pele não é por via tópica, mas sim por via sistêmica.

Figura 1: Moldes para recorte de coberturas de interface para proteção da pele: Fonte: RECOMENDAÇÃO PREPI | COVID19 | Prevenção de lesões cutâneas causadas pelos Equipamentos de Proteção Individual.

Locais para aplicação de coberturas de interface para proteção da pele:

Figura 2: Locais para aplicação de coberturas de interface para proteção da pele: Fonte: SOBEST – Lesões de pele relacionadas ao uso de equipamentos de proteção individual em profissionais de saúde: estratégias de prevenção frente à Pandemia por Covid-19.

******

Fonte: Blog Vitalaire.

Deixe um comentário